quarta-feira, 27 de abril de 2016

[Crime - Incêndio Urbano] Homem detido pela PJ por Incêndio em Pensão no Concelho da Póvoa de Varzim

A Directoria do Norte da Polícia Judiciária procedeu à identificação e detenção de um indivíduo de 47 anos de idade, por este ser o presumível autor de um crime de incêndio urbano verificado no quarto de uma pensão sita numa freguesia do Concelho da Póvoa de Varzim na noite de 28 de Março de 2016

Alegadamente motivado por desejo de vingança, tendo sido despejado do quarto da pensão onde ocorreu o ilícito criminal, devido à falta de pagamento do arrendamento de quarto, o suspeito terá ateado um foco de incêndio, utilizando um isqueiro para causar a combustão de uma mala de roupa e de um colchão. 

O incêndio apenas não foi causador de prejuízos mais elevados, visto ter sido detectado precocemente pelo proprietário do estabelecimento hoteleiro, que prontamente interveio para lhe pôr fim. 

Todavia, esta conduta criminosa, por motivo torpe, poderia potencialmente haver colocado em risco a vida e a integridade física de outros indivíduos que se encontravam no local.

O suspeito, detido e identificado pelas autoridades, é casado, tem a profissão de cozinheiro e será apresentado às autoridades judiciais competentes com vista a ver aplicadas as medidas de coacção tidas por convenientes.

Texto: Isabel de Almeida/Nova Gazeta

Foto: Arquivo Nova Gazeta/Direitos Reservados

Fonte: Gabinete de Imprensa PJ

segunda-feira, 25 de abril de 2016

[Literatura Infantil] Patrulha Pata chega à Nuvem de Letras



A Patrulha Pata tem feito as delicias dos mais pequenos na tv por cabo, através do canal Panda assistem diariamente de manhã e à noite um episódio desta série animada protagonizada pelo pequeno Ryder e os seus cachorros. Agora para delicia de todos esta equipa fantástica chegou ao papel pela mão da Nuvem de Letras que publicou já dois volumes de histórias caninas.

Em "Ao Resgate" somos apresentados a esta família de quatro patas e do seu jovem dono ficando a saber as particularidades de cada um e ainda como cada casota se transforma naquilo com que cada animal se identifica. Este é portanto um livro introdutório fundamental para perceber a dinâmica deste grupo tão divertido.

O segundo livro "Missão Canina" apresenta-nos uma história de entreajuda e superação de obstáculos em que a presidente da Baía da Aventura participa numa corrida de balões. Tendo medo de alturas a Presidente Goodway acaba por ser ajudada pelo pequeno Ryder e pelos seus ajudantes que irão verificar as condições do balão e repará-lo.

É possível tirar várias lições destes livros, em primeiro lugar temos a diversidade canina, cada animal é de uma raça diferente e inclui um rafeiro. Temos também diversidade étnica nas personagens humanas, sendo que uma delas é uma mulher com uma posição de poder. 

Nem sempre é necessário termos conversas profundas com crianças pequenas até porque provavelmente eles não conseguirão entender mas se houver algo que lhes seja visualmente apelativo com  mensagens subliminares a aprendizagem será natural. É muito mais fácil transmitirmos certos valores se os mesmos forem tratados com naturalidade, como algo que faz intrisecamente parte da nossa vida e é por isso que os livros infantis são tão importantes, porque contém mensagens que mesmo sem a criança perceber está a assimilar.

Por cá adoramos a Patrulha Pata e estaremos atentos a novos lançamentos. Sem dúvida uma coleção que recomendo. 



quinta-feira, 21 de abril de 2016

[Cultura - Divulgação Literária] RTP e LEYA Lançam “Colecção Essencial – Livros RTP”

Quarenta e seis anos após a primeira colecção ter marcado uma geração, a RTP e a LeYa lançam a “Colecção Essencial – Livros RTP”, formada por edições de capa dura de obras de grandes autores de língua portuguesa e de outras línguas, ao preço de 10 euros cada. O primeiro título, Ensaio sobre a Cegueira, de José Saramago, chega hoje às livrarias nacionais.

Ontem, pela tarde, foi apresentada, em Lisboa, a “Colecção Essencial - Livros RTP”, um projecto cultural concebido pela RTP em parceria com a LeYa e que consiste na publicação de um conjunto de obras de ficção de autores de língua portuguesa e de outras línguas. O objectivo desta iniciativa é a promoção do gosto pela leitura através da descoberta (ou redescoberta) de alguns dos autores mais relevantes do século XX,  colocando à disposição do público, por um preço reduzido (10 euros) e ao ritmo de um título por mês, algumas das obras-primas da literatura contemporânea, com prefácios assinados por destacadas personalidades da cultura. 

O primeiro livro da colecção, Ensaio sobre a Cegueira, de José Saramago (prefaciado pelo editor Zeferino Coelho), chega às livrarias hoje,  21 de Abril. Em Maio será publicado A Guerra do Fim do Mundo, de Mario Vargas Llosa, prefaciado por António Mega Ferreira, e, em Junho, será editado Jesusalém, de Mia Couto, com prefácio de Miguel Real.

A curadoria da colecção pertence a  Zeferino Coelho, um dos mais considerados editores do mundo de língua portuguesa, editor da Caminho, integrada na LeYa.

A qualidade e a pertinência da “Colecção Essencial – Livros RTP” foi recentemente confirmada ao ser integrada no Plano Nacional de Leitura.

No âmbito desta colecção está prevista a publicação de 25 livros.

As capas da “Colecção Essencial – Livros RTP” foram criadas por Rui Garrido, Diretor de Arte da LeYa. 

[Acerca da colecção]:

O projecto da RTP de retomar a famosa iniciativa dos anos 70 que foi a colecção Livros RTP é um excelente projecto e mostra a amplitude que pode atingir o princípio do serviço público que a lei lhe atribui, que os portugueses dela esperam e que a Administração da RTP assumiu.

Encarregada de conceber, publicar e comercializar essa colecção – a que a RTP deu o título de “Colecção Essencial – Livros RTP”, a LeYa está confiante de que pode assumir inteiramente tal responsabilidade de acordo com os parâmetros definidos pela RTP.

Tomando como base que nesta fase a “Colecção Essencial – Livros RTP” incluirá 25 títulos, todos eles obras de ficção, de autores de diferentes países mas com predominância para autores de Língua Portuguesa e, dentro destes, para autores Portugueses, definir os títulos da colecção é sem dúvida uma tarefa difícil e sempre de resultado discutível e, eventualmente, controverso. Apesar disso, a LeYa assume essa responsabilidade, considerando que tais dificuldades têm de ser enfrentadas e vencidas uma vez que o objectivo final é disponibilizar uma colecção de 25 obras literárias para um público muito amplo, e aproveitar essa publicação para levar a cabo um verdadeiro programa cultural e literário que ajude a vencer um dos grandes défices do nosso país – a promoção do livro e da leitura entre todas as camadas da população.

Podemos já informar que dos 25 títulos, 12 serão de autores de língua portuguesa (sete de autores Portugueses, dois de autores Brasileiros e três de autores Africanos de Língua Portuguesa). Os restantes 13 títulos correspondem a algumas das grandes obras da literatura do século XX, com predominância para obras publicadas na sua segunda metade.

Num universo tão vasto não é possível incluir todas as obras fundamentais e representativas de uma escola, uma corrente literária, uma época e/ou uma geografia. Em todo o caso, no que se refere aos autores Portugueses, procurou-se incluir os mais destacados e activos durante a segunda metade do século XX (tendo ficado de fora alguns autores que fariam boa companhia aos que foram incluídos). Assim, não faltarão José Saramago, António Lobo Antunes, Vergílio Ferreira, Agustina Bessa-Luís, entre outros. Dos brasileiros, não poderia faltar Jorge Amado, mas não deixámos de incluir um autor que nos mostra um outro lado da riqueza da literatura Brasileira actual – Rubem Fonseca. Entre os Africanos entrarão nomes já inteiramente consagrados e com lugar cativo nas literaturas Africanas de Língua Portuguesa, sendo o primeiro o Moçambicano Mia Couto.

No que se refere a escritores de outras línguas que não a Portuguesa, os leitores encontrarão nomes bem conhecidos provenientes de Inglaterra, França, Estados Unidos, Itália, Alemanha, Espanha e da América Latina. Isto é, Mario Vargas Llosa mas também Gabriel García Márquez, Faulkner mas também Philip Roth, Primo Levi mas também Italo Calvino, Marguerite Yourcenar mas também Thomas Mann… Enfim, uma selecção muito condicionada pela quantidade mas de indiscutível qualidade, e representativa do melhor que se escreveu e publicou ao longo do século XX.

Todos os volumes incluirão prefácios assinados por autores de língua portuguesa – com uma exceção para Alberto Manguel, que prefaciará Cem Anos de Solidão – de autoridade indiscutível. Serão textos curtos, mas que, pela sua qualidade, concisão e agudeza, tornarão singular a presente edição de cada uma destas obras. Não faltará também um breve resumo biobibliográfico de cada autor.

COLECÇÃO ESSENCIAL – LIVROS RTP

Os primeiros 12 livros

Ensaio sobre a Cegueira, José Saramago
Prefácio: Zeferino Coelho

A Guerra do Fim do Mundo, Mario Vargas Llosa
Prefácio: António Mega Ferreira

Jesusalém, Mia Couto
Prefácio: Miguel Real

A Mancha Humana, Philip Roth
Prefácio: Clara Ferreira Alves

Capitães da Areia, Jorge Amado
Prefácio: José Carlos de Vasconcelos

As Naus, António Lobo Antunes
Prefácio: Ricardo Araújo Pereira

Cem Anos de Solidão, Gabriel García Márquez
Prefácio: Alberto Manguel

O Grande Gatsby, F. Scott Fitzgerald
Prefácio: António-Pedro Vasconcelos

Dinossauro Excelentíssimo, José Cardoso Pires
Prefácio: Carlos Reis

A Insustentável Leveza do Ser, Milan Kundera
Prefácio: Inês Pedrosa

As Cidades Invisíveis, Italo Calvino
Prefácio: Nuno Júdice

A Geração da Utopia, Pepetela
Prefácio: Ondjaki


Edição de Texto: Isabel de Almeida/Nova Gazeta

Fonte e Fotos: Leya - Direcção de Comunicação

Nota de redacção: o texto foi editado ao abrigo da ortografia anterior ao Acordo Ortográfico por expressa opção da linha editorial do jornal Nova Gazeta.


terça-feira, 19 de abril de 2016

[Sociedade] APAV em instalações cedidas pela Câmara Municipal de Setúbal

 Foto Direitos Reservados Câmara Municipal de Setúbal
O gabinete de Setúbal da APAV – Associação Portuguesa de Apoio à Vítima, encontra-se a funcionar, desde hoje, em instalações para o efeito cedidas pela Câmara Municipal da cidade Sadina, ao abrigo de Protocolo formalizado nesse mesmo sentido.

Conforme referiu Maria das Dores Meira, Presidente da Câmara Municipal de Setúbal “Este é um acto simples mas, como sempre, são estes atos que têm maior significado pelo que permitem fazer e acontecer” aquando da formalização do Protocolo de cedência de instalações por um período de três anos. 

As instalações cedidas pelo Município de Setúbal situam-se na Praça do Brasil, em piso térreo que foi objecto de renovação e adaptação tendo em conta as necessidades da APAV, dispondo de duas salas, uma delas terá por destino o atendimento, e outra será utilizada pelas equipas de voluntários e ainda para a realização de outras acções de trabalho.

Maria das Dores Meira teve oportunidade de destacar que o apoio concedido pela autarquia à APAV engloba os encargos inerentes ao funcionamento das instalações cedidas, tendo ainda agradecido e evidenciado “o trabalho de uma instituição particular de solidariedade social numa área manifestamente complexa como é o apoio a vítimas de crimes”.

 Por sua vez, João Lázaro, Presidente da APAV, assinalou que, com o protocolo de colaboração formalizado com o Município de Setúbal, foi possível garantir “a manutenção do gabinete, um dos mais antigos da instituição, em Setúbal”, que agora conta “com condignas condições de trabalho”.

No decurso da cerimónia oficial de formalização do Protocolo, a qual faz parte integrante das comemorações do 156º aniversário da Elevação de Setúbal a Cidade, João Lázaro mencionou que a APAV deverá ser vista “como um veículo para ser utilizado” e que se revela “uma peça fundamental na política de intervenção social”.

 Entre as missões mais relevantes da APAV conta-se: a promoção da protecção e do apoio a vítimas de infracções penais, em especial às mais carenciadas, nomeadamente através da informação, do atendimento personalizado e encaminhamento, do apoio moral, social, jurídico, psicológico e económico.

“Eis o que estas instalações ajudam a promover, apoio que se estende à realização de investigação e estudos sobre os problemas da vítima, para a mais adequada satisfação de interesses e a participação em programas, projetos e ações de informação e sensibilização da opinião pública” consoante destacou Maria das Dores Meira, a qual sublinhou ainda o orgulho em apoiar esta missão “Sentimos que assim somos parte de algo verdadeiramente importante para os que são vítimas de violência, para os que, indefesos e fragilizados, são incapazes de vencer os enormes problemas que estas situações provocam.”

O acto  público desta manhã, envolveu a participação de  elementos do Executivo municipal, a da Directora do Centro Distrital de Setúbal da Segurança Social - Natividade Coelho, do Presidente da Junta de Freguesia de S. Sebastião - Nuno Costa, e de representantes da PSP, GNR e Tribunal de Setúbal, tendo também incluído uma visita às novas instalações da APAV.

Texto: Isabel de Almeida/Nova Gazeta
Fonte: Câmara Municipal de Setúbal
Foto: Direitos Reservados Câmara Municipal de Setúbal

[Cultura - Crítica Literária] "Vamos Comprar um Poeta", de Afonso Cruz [Editorial Caminho]

Crítica Literária 

Texto: Isabel Alexandra Almeida/Nova Gazeta/Os Livros Nossos

Foto: Direitos Reservados - Editorial Caminho [Grupo LeYa]

Vamos Comprar um Poeta é um surpreendente grande pequeno livro da autoria de Afonso Cruz. Porque os livros, tal como as pessoas, não se medem pela extensão, mas pela qualidade, pela essência, pela personalidade própria, pela originalidade e pela capacidade de nos tirar da zona de conforto e de nos abanar a alma, e é precisamente isto que este pequeno grande livro faz connosco.

A premissa inicial é, desde logo, interessante, numa sociedade em tempo indeterminado, algures no futuro, a narradora participante descreve-nos uma sociedade materialista onde tudo é visto de modo quantificado ou quantificável, até mesmo as emoções, e os nomes sujeitos são meras combinações de números onde o peso das dízimas diz algo sobre a preponderância social de cada indivíduo.

Numa elegante prosa plena de ironias e toques de humor, entramos na intimidade de uma família [ a da nossa narradora] constituída pela própria, pelos pais e pelo irmão, e iremos conhecê-los quando se predispõem  a comprar um Poeta, visto que não suja e é relativamente fácil de manter em casa para entretenimento da família, sem consequências de maior na rotina de cada um [assim pensam os membros desta família].

E o Poeta chega a instala-se, ou melhor dizendo, é instalado num espaço exíguo num vão de escada e irá revolucionar a vivência economicista, quantificada e limitada deste núcleo familiar.

A sociedade imaginária narrada neste livro tem algo de assustadoramente familiar...embora esteja caricaturada e levada ao extremo, perdeu valores culturais, menospreza o conhecimento, a criatividade o peso e a relevância da imaginação, sendo impensável e mal visto socialmente desenvolver uma actividade intelectual que se afaste do campo dos números, da economia, da lógica fria do lucro e dos ilusórios prosperidade e crescimento.

Com inúmeras referências culturais, que são depois esmiuçadas em notas no final da obra, este livro tem o condão de nos fazer rir de nós próprios e do mundo que estamos a construir, sendo um belíssimo exercício contemporâneo do lema ridendo castigat mores de Gil Vicente.

A ler, a reler, a coleccionar, a recomendar e a reflectir de quando em vez! Parabéns Afonso Cruz.


Ficha Técnica da Obra:


Título: Vamos Comprar um Poeta


Autor: Afonso Cruz


Editora: Caminho [Grupo Leya]


Edição: Março de 2016


Páginas: 104


Género: Juvenil/ficção contemporânea

Nota de redacção: O exemplar da obra foi gentilmente cedido pelo editor para artigo de crítica literária.



domingo, 17 de abril de 2016

[Espaço Psy] Porquê a importância do ensino artístico nas escolas?

                                                      Texto: Pedro Taborda

Mestre em Psicologia Educacional e da Orientação pela Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa.


O papel do ensino artístico tem sido debatido, ainda que em surdina, em Portugal ao longo do tempo. Com os diversos governos e políticas implementadas temos vindo a observar uma oscilação na postura adotada face ao ensino artístico. 

Do ponto de vista da psicologia importa salientar que vários autores sublinham a importância do papel que a aprendizagem da arte pode ter no desenvolvimento dos alunos. 

É também relevante afirmar que o desenvolvimento cognitivo é importante, mas não é só a partir dele que se potencializa a formação de jovens e adultos capazes de enfrentar os problemas que os esperam. 

De acordo com as várias contribuições científicas que têm sido feitas  podemos dizer que a aprendizagem da arte tem demonstrado ser uma forte aliada no desenvolvimento de aspetos como a perceção visual, da empatia e da formação de indivíduos com maior sentido crítico. Isto é, incluir a formação artística,  atenta à evolução dos alunos e com um crescente grau de exigência é contribuir para uma cultura educacional focada na formação completa dos jovens. 

E é pertinente dizer que criar um sistema de ensino (desde o básico ao secundário) com uma forte componente artística presente e creditada é criar condições para uma formação mais completa, mais envolvente e mais capaz. 

Ao longo do tempo as políticas educativas têm sido alvo de um debate, na sua essência, ideológico e politizado. Ideológico porque muitas vezes assistimos a um debate de confronto entre a tradicional visão da esquerda e da direita; politizado porque olha a dogmas partidários e ideias pré-concebidas. O bom é que a cultura e o ensino não são nem da direita nem da esquerda. Afirmar que algo é mais do um do que outro seria cair em ditadura educativa e ideológica. 

Questões políticas à parte a única linha orientadora que devemos seguir é esta e apenas esta: dados que sustentam as teorias educativas mais relevantes. E dados não só estatístiscos mas empíricos, que nos permitam ajustar as nossas regulamentações educacionais num principio de rigor e necessidade.

Sabemos que muitas vezes, por questões de contenção orçamental, existem áreas que sofrem cortes e reestruturações. E muito recentemente temos ouvido dizer que a política é a arte do possível. Mas antes de analisarmos se estas posturas são de facto as mais corretas convém termos em mente o papel que o sistema educativo deve ter nos dias de hoje. 

Sem dúvida que ninguém ousaria afirmar que a política educativa deve ser delegada para um lugar menor em qualquer governo, instituição ou até país. Mas, de facto, observamos que certas valências do ensino acabam por o ser. E a educação artística é exemplo disso. 


Tendo em conta as vantagens de uma educação artística mais frequente e de uma cultura e clima escolares, porque continuamos nós a achar que falamos de uma área curricular menor? 

pedromtaborda@gmail.com

sexta-feira, 15 de abril de 2016

[Beleza] Pincéis de maquilhagem – básicos

Texto: Leonor Morais Vasconcelos




Fotos: direitos reservados



Dos acessórios de maquilhagem que existem – e que são bastantes! – tenho especial predilecção por pincéis, ferramenta essencial para que o resultado final seja o melhor.

Neste artigo incluí os modelos dos pincéis que considero básicos.


Existem várias marcas que vendem pincéis, umas mais caras do que outras. Fica ao critério de cada uma escolher se deseja investir num bom pincel ou usar um mais barato – e que também funciona lindamente!



Não esquecer que os pincéis devem ser limpos pelo menos uma vez por mês, com sabonete normal (tipo Dove) ou com produtos específicos para tal, que facilmente compramos nas perfumarias.

[Cinemania] “A Febre do Mississipi” chega a Portugal

Crítica de Cinema:

Texto: Mafalda Férias

Blogue Crónicas de Uma Leitora

Foto: NOS Audiovisuais - Direitos Reservados

Uns meses depois de ter chegado às salas de cinema com um dos seus melhores papéis (Deadpool), Ryan Reynolds volta ao grande ecrã com um filme diferente e certamente virado para outro tipo de público, longe de ser um blockbuster como "Deadpool".

Estreou dia 14 de Abril nas salas portuguesas um filme de 2015 "A Febre de Mississipi". Embora nunca tivesse ouvido falar do mesmo, a sinopse o trailer prometiam um filme daqueles que até são bons, estão é ainda para serem descobertos. 

Aqui temos Gerry, um jogador compulsivo que se encontra numa maré de derrotas sem parar. Endividado e sozinho acredita que a sua vida muda quando conhece Curtis, que ao contrário dele, é jovem, safa-se no póquer mas sabe quando tem de parar. 

O filme ao contrário do que possa parecer não é sobre póquer até porque Gerry é viciado no jogo, mas seja que jogo ou que forma de jogar seja, desde corridas de cavalos a corridas de cães. Tudo serve para apostar e tentar ganhar dinheiro. É com esta ideia, de ganhar dinheiro, pagar as suas dívidas e resolver a sua vida que Gerry convenceu Curtis a acompanhá-lo numa viagem até ao Sul dos EUA, a fim de entrarem num grande torneio de póquer que acontece por lá. 

A viagem, cheia de peripécias e aventuras não irá só fazer nascer uma grande amizade entre os dois como efectivamente acabará por mudar a vida dos dois amigos. 

Embora com uma presença curta na trama a personagem de Simone (Sienna Miller) é importante para a história, especialmente para entendermos a evolução da personagem de Curtis ao longo da descida pelo Mississipi e é por isso que no parágrafo anterior afirmei que a viagem acaba por mudar a vida dos dois amigos, Curtis, outrora viajante de cidade em cidade, sem poiso fixo, acaba por perceber - também devido à história de Gerry - que um vida solitária ou com companhias esporádicas não é o que deseja. 

O filme é bom em fazer o espectador detestar Gerry, e pessoalmente o ponto mais baixo e que realmente não me fez gostar deste viciado no jogo foi a sua tentativa de roubo à ex-mulher, horas depois de te mentido ao companheiro dizendo que ia tentar reconquistar a ex-amada. Sem seguir os conselhos de Curtis e acreditando que a sorte eventualmente irá chegar, Gerry afunda-se mais na sua destruição.

O filme acaba por prender o espectador, não só para ver até quanto Gerry cai no fundo do poço ou se a sorte irá sorrir-lhe no final. 

O final acaba por ser o esperado e demasiado "hollywoodesco". Admito que esperava que Gerry admitisse o seu vício e procurasse ajuda mas o final deu a entender que até os maiores falhados têm realmente sorte na vida. Ainda assim o fim acaba por também dar por terminada todos os problemas de Gerry e acaba por ser um ponto de viragem numa nova vida.

Um filme com uma banda sonora mais virada para o Jazz e os Blues e sustentado por apenas dois actores que encarnam as suas personagens muito bem, Só fiquei com pena de não entender bem os motivos de Curtis nesta história toda, para além de ser um adicto da adrenalina da viagem e do jogo e de a Vanessa (Analeigh Tipton) não ser mais bem explorada. 


quinta-feira, 14 de abril de 2016

[Ambiente] Serra da Arrábida Candidata à Reserva da Biosfera da Unesco

Foto: Câmara Municipal de Setúbal/Direitos Reservados
Foi hoje à tarde apresentado publicamente o processo de candidatura da Serra da Arrábida à Reserva da Biosfera da UNESCO, tendo sido igualmente apresentados os objectivos mais significativos do projecto.

O encontro decorreu no Auditório da Escola de Hotelaria e Turismo de Setúbal, incluindo também painéis de debate subordinados a temáticas relacionadas com a Arrábida e a Biosfera.

No decurso da apresentação pública do projecto de candidatura Maria das Dores Meira, Presidente do Município de Setúbal teve oportunidade de frisar: “Queremos dar à Serra da Arrábida um estatuto de maior dignidade e respeito, o que, naturalmente, no traz, a todos, enquanto autarcas e cidadãos, responsabilidades acrescidas”. 

A candidatura mostra-se encabeçada pela AMRS – Associação de Municípios da Região de Setúbal, em parceria com os municípios de Setúbal, Palmela e Sesimbra e o ICNF – Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, tendo tais parcerias sido objecto de formalização mediante assinatura de protocolos de colaboração que foram também firmados no decurso do encontro.

Álvaro Balseiro Amaro, Presidente da Câmara Municipal de Palmela, no uso da palavra, destacou: “A candidatura [a Reserva da Biosfera] tem desde já uma vantagem. O trabalho exaustivo já realizado é um excelente ponto de partida (…) Mas há um desafio a superar neste caminho. Esta não é uma candidatura das câmaras municipais, mas das populações que nelas vivem, de toda a comunidade. Por isso, é importante o envolvimento activo de todos neste processo.”

João Afonso Luz, da coordenação técnica da ARS, apontou aquele que constitui o principal objectivo do projecto: “Conciliar a conservação e preservação da natureza com a actividade humana, assente numa lógica de desenvolvimento sustentável.”

A vice-presidente da Câmara Municipal de Sesimbra, Felícia Costa, em representação do presidente da autarquia - Augusto Pólvora – teve oportunidade de sublinhar que o município seu representado: “corrobora deste desígnio de valorizar todo o território da Arrábida, não só pelos seus valores naturais, mas também culturais”.

Por sua vez, o Presidente do Conselho Directivo da AMRS referiu que : “a riqueza ambiental deste território é amplamente demonstrada pela presença de duas reservas naturais”.

 Paula Sarmento – Presidente do Conselho Directivo do ICNF garantiu estar: “absolutamente convencida do sucesso, desta vez, desta ventura. É uma candidatura vencedora!”. Tendo ainda frisado que: “Portugal é um país privilegiado do ponto de vista do património natural. Com zonas habitadas há milhares de anos, como acontece na Arrábida, não é coincidência que as populações estejam tão interligadas com estes territórios”.

Trata-se, sem dúvida, de um interessante projecto de promoção e protecção do ambiente numa das zonas mais belas e relevantes em termos de Património Natural.


Texto: Isabel de Almeida/Nova Gazeta com Câmara Municipal de Setúbal

Foto: Câmara Municipal de Setúbal – Direitos Reservados

[Cultura - Divulgação Literária] Joana Bouza Serrano lança novo Romance Histórico " A Duquesa de Mântua", com Chancela Esfera dos Livros

Eis uma notícia que, certamente, será do agrado de todos os adeptos do romance histórico, a partir de amanhã - dia 15 de Abril, estará disponível nas livrarias de todo o país o mais recente romance histórico de Joana Bouza Serrano, com chancela da Esfera dos Livros, sob o título "A Duquesa de Mântua".

O livro dá-nos a conhecer o universo de Margarida de Mântua, a princesa Italiana que chegou a ser Vice-Rainha de Portugal, em tempos conturbados que antecederam a Restauração da Independência Nacional de 1 de Dezembro de 1640.

[Sinopse da Obra]:

No dia 1 de Dezembro de 1640, por entre as armas dos fidalgos e a exaltação popular, a Duquesa de Mântua assoma corajosamente à varanda do Palácio Real, em Lisboa, tentando travar o golpe de Estado que estava em vias de pôr fim a seis décadas de domínio Castelhano. Margarida de Mântua chegara a Lisboa em 1634, com a incumbência de governar o reino em nome de Filipe IV de Espanha. Nesse período conturbado, marcado por revoltas populares contra o aumento dos impostos e pelos constantes ataques ao Império Colonial Português por parte dos inimigos da Monarquia Hispânica, Filipe IV e os seus conselheiros haviam decidido enviar para Lisboa alguém cuja lealdade não pudesse ser posta em causa: uma princesa de sangue real, prima do monarca e bisneta de duas infantas portuguesas, que crescera na corte de Saboia, embalada pelo mito do avô espanhol, o poderoso Filipe II, que reinara sobre o maior Império que jamais existira. Em A Duquesa de Mântua, Joana Bouza Serrano, historiadora e autora de As Avis, dá-nos a conhecer a vida atribulada desta altiva e determinada princesa que foi vice-rainha de Portugal.

[A Autora]:

Joana Bouza Serrano


Joana Bouza Serrano é licenciada em História e mestre em História Moderna e dos Descobrimentos pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Em 2009, publicou "As Avis", também com a Esfera dos Livros.


Texto: Isabel de Almeida/Nova Gazeta com Esfera dos Livros
Fotos: Gentilmente Cedidas por Esfera dos Livros


terça-feira, 12 de abril de 2016

[Música] "RESTART", novo álbum de Aurea, entra directamente para o 1º Lugar do Top Nacional de Vendas

Editado a 18 de Março de 2016 e produzido em Las Vegas, por Cindy Blackman Santana e Jack Daley, "RESTART", o mais recente álbum de Aurea entrou directamente para o Top de Vendas Nacional.

Após ter-se afirmado na sua carreira através de uma fórmula segura, e que lhe grangeou diversos discos de platina, com um registo de Soul inspirado nos clássicos dos anos 60, e em grandes nomes como Otis Redding, Aretha Franklin ou Al Green, neste novo álbum a cantora sentiu necessidade de recomeçar, como indica o próprio nome do seu mais recente trabalho discográfico.

Foi intuito de Aurea, neste novo trabalho, procurar um lugar só seu. Um lugar só seu, sem tempo e sem género vincados, mas, ainda assim, sem esquecer aquelas que são as suas origens  e fontes de inspiração enquanto intérprete, nomeadamente, Soul ou Jazz, Pop ou Rock, e ainda aquele que pode ser apontado como o seu reflexo mais fiel, o reflexo duma artista que amadureceu, mas que sabe conjugar aquela que é a sua linguagem muito própria, com o natural inconformismo que pauta a sua performance.

Nesta busca pelo seu lugar que a define, que a distingue, que constitui, no fundo, a sua identidade artística, Aurea decidiu viajar para os Estados Unidos e trabalhar com a célebre baterista Cindy Blackman e com o exímio baixista Jack Daley, que já trabalharam com Lenny Kravitz ou Joss Stone.

As 12 canções que integram "RESTART" contêm ainda bons registos de Soul, Jazz e Rock e, ainda, uma afinada sensibilidade de registo Pop. Podemos ali encontrar passado e presente combinados, intemporalidade, assim como a atenção aos detalhes, a exigência e o perfeccionismo, ou seja, encontramos neste trabalho Aurea no seu todo, reinventada e amadurecida, e numa afirmação plena da sua personalidade.

Poderá ouvir o single de apresentação "I DIDN´T MEAN IT":


O álbum RESTART será apresentado oficialmente em Concerto agendado para o próximo dia 14 de Maio, no Cinema S. Jorge, pelas 21 horas e 30 minutos, em Lisboa.

Mais info disponível em:




Texto: Isabel de Almeida/Nova Gazeta

Foto: Sony Music Portugal



[Crime] Traficantes de Estupefacientes detidos pela PJ em Coimbra

Objectos apreendidos no decurso da operação de investigação
A Polícia Judiciária, através da Directoria do Centro, procedeu ontem à detenção de quatro pessoas, por suspeita da autoria pelas mesmas dos crimes de tráfico de estupefacientes e de detenção de arma proibida.

 Foram detidos e identificados, na Cidade de Coimbra, dois homens e duas mulheres, no âmbito de uma investigação em curso cujo propósito é o combate ao tráfico de heroína na zona centro do País.


A abordagem e detenção dos suspeitos deu-se no momento em que dois dos mesmos chegavam a Coimbra, provenientes da região da Grande Lisboa, com vista a proceder à entrega da quantidade equivalente a duas mil duzentas e cinquenta doses de heroína, destinando-se as mesmas a ser, a posteriori, distribuída em diversos bairros de Coimbra e da Figueira da Foz.

Ainda no âmbito desta operação de investigação e subsequente detenção dos suspeitos, procedeu-se à apreensão de diversos bens, e de valores pecuniários. Houve lugar à apreensão de uma quantia em dinheiro respeitante à transação de estupefaciente, no valor global de 5.410 euros. Foram também apreendidas duas viaturas (uma destas de gama média/alta), uma pistola de calibre 6,35 mm. e cinquenta e seis munições.


Aspecto das doses de estupefaciente apreendidas
A arma foi objecto de apreensão quando se encontrava na posse de um dos quatro suspeitos, residente em Coimbra, o qual havia já sido identificado e detido na posse de outra arma, em operação de controlo de tráfego levada a cabo pela P.S.P. em 12 de Março último.
Os suspeitos detidos têm entre 33 e 36 anos de idade, e foram presentes a primeiro interrogatório judicial. A três dos suspeitos veio a ser aplicada a medida de coacção de prisão preventiva, o sujeito restante ficou sujeito à medida de obrigação de apresentação às autoridades da respectiva área de residência.

Texto: Isabel de Almeida

Fotos: Gabinete de Imprensa da Polícia Judiciária [Direitos Reservados]

sexta-feira, 8 de abril de 2016

[Cultura - Evento Literário & Opinião] Embaixador Carlos Fernandes lança livro que contesta o acordo Ortográfico de 1990


A obra do Embaixador Carlos Fernandes [Foto Guerra & Paz Editores]

Ontem, na Bertrand do Picoas Plaza, em Lisboa, foi apresentado o livro do embaixador Carlos Fernandes, "O Acordo Ortográfico de 1990 não está em vigor" da editora Guerra e Paz, sobre a inconstitucionalidade deste acordo que nunca foi sancionado por decreto-lei ao contrário do que se passou com a Convenção de 1945 e o aditamento de 1973.

Estavam pouco mais de 30 pessoas na sala, como se pode verificar pelas fotos publicadas, houve intervenções do próprio autor, de Nuno Pacheco e de Ivo Barroso e algum diálogo.

É deveras lamentável que um assunto destes que interfere violentamente com a nossa Cultura, a nossa Civilização, a nossa raiz latina, mereça tão pouca atenção da parte de um público que, nas redes sociais, se afirma como sendo totalmente contra mas depois não aparece nos locais e manifestações públicas.

Se queremos alterar este ( des)acordo ilegal, temos de manifestar a nossa presença, fazendo- nos ouvir junto de quem o pode alterar.

Em conversas de café, em reuniões só para amigos e em manifestações só com meia dúzia de pessoas, não o conseguimos.


Por mim falo. Não pude estar presente por motivos familiares mas o meu Marido representou- nos aos dois, indo e comprando o livro.

O livro tem muito interesse porque recorre a toda a legislação e a todas as " Prepotências do Governo de José Sócrates e do Presidente Cavaco Silva", como o autor refere no próprio título do livro.
A ler com atenção.


Texto: Maria Delfina Vasconcelos 

Fotos: Editora Guerra e Paz [Direitos Reservados]

A Nova Gazeta agradece à Dra. Maria Delfina Vasconcelos e ao Dr. José Luís Vasconcellos a gentileza de toda a colaboração prestada com a escrita deste artigo.

quinta-feira, 7 de abril de 2016

[Crime] Assaltante à mão armada detido pela PJ em Lisboa

Um indivíduo de 45 anos de idade foi identificado e detido pela Directoria de Lisboa e Vale do Tejo da Polícia Judiciária, estando indiciada a prática pelo suspeito de ilícitos criminais de roubo e sequestro ocorridos no ano transacto, durante a primeira quinzena de Outubro, e a coberto da noite.

De acordo com a investigação levada a cabo pelas autoridades, o sujeito terá abordado um homem de 24 anos de idade, numa rua de Lisboa, no momento em que este estacionava a sua viatura, e ameaçando a vítima com arma de fogo, obrigou esta a dirigir-se para o banco traseiro da viatura, tendo-o forçado, a posteriori, a levantar dinheiro em diversas Caixas Multibanco.

Após cerca de duas horas, o suspeito deixou a vítima apeada, tendo-se apropriado da viatura da vítima, de toda a quantia em dinheiro que obtivera de forma ilícita e ainda apropriando-se indevidamente de outros bens da vítima.

Existem também indícios que apontam no sentido do cometimento pelo suspeito de ilícitos criminais semelhantes, nomeadamente, em finais de Outubro do passado ano o suspeito abordou um homem de 60 anos de idade, no momento em que este se dirigia à sua viatura, após encerrar o seu estabelecimento, e mediante ameaça de arma de fogo forçou a vítima a entregar-lhe a quantia em dinheiro que consigo transportava, bem como as chaves do seu veículo automóvel.

Na sequência da detenção, o suspeito será presente a Primeiro Interrogatório Judicial, onde lhe serão aplicadas as medidas de coacção julgadas adequadas aos ilícitos indiciados.

Com vista a aferir do eventual envolvimento deste suspeito na prática de outros delitos semelhantes, a Polícia Judiciária está a dar continuidade ao processo de investigação

Texto: Isabel de Almeida /Nova Gazeta

Foto: Direitos Reservados - Diário do Distrito

quarta-feira, 6 de abril de 2016

[Cultura - Divulgação Literária] Comunicado Guerra & Paz Declaração de Interesses " A Ilha do Tesouro", de Robert Louis Stevenson


Chegou à nossa redacção um comunicado da Guerra & Paz Editores, que consideramos importante tornar público junto dos nossos leitores, passamos a transcrever o teor integral do mesmo:

"A Guerra e Paz acaba de lançar um livro com o sugestivo, mas problemático título, «A Ilha do Tesouro». Face a certos rumores, que pretendem ligar a referida obra a factos recentes, trazidos à luz do dia e às primeiras páginas dos jornais pelo Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação, a editora Guerra e Paz quer frisar, com veemência, que o Tesouro que agora disponibilizou aos leitores portugueses não é resultado de nenhuma operação de offshore. Mais acrescenta, que esta «Ilha do Tesouro» não é o Panamá, até porque o Panamá não é uma Ilha. O autor do livro, Robert Louis Stevenson, confessando embora a sua ligação a homens do mar com um perna, mais conhecidos por piratas, capitães de navios, cozinheiros e taberneiros duvidosos e papagaios falantes, quer marcar bem as distâncias: o seu tesouro é legítimo, palpável e não de fachada. Fruto de aventuras e não de uma qualquer optimização fiscal, o Tesouro de Robert Louis Stevenson é uma herança legítima, recebido pelo Autor das mãos dos seus ancestrais, a Criatividade e a Imaginação.  
A Guerra e Paz Editores está, assim, em condições de assegurar aos seus leitores que podem adquirir a «Ilha do Tesouro», com a capa que aqui se junta, em qualquer livraria do país, e que, nesse acto, estão a adquirir um título da mais alta rendibilidade, um título considerado AAA por todas as agências de rating, avalizado tanto pelo FED americano, como pelo BCE europeu. Ponham as vossas poupanças a salvo e boa leitura."





Fonte Texto e Foto: Guerra & Paz Editores

segunda-feira, 4 de abril de 2016

[Desporto-Futebol] Período de Descontos

Chapa 5 para Benfica e Sporting. Xeque-mate do Tondela no Dragão. Faltam apenas 6 jogos, ou seja 18 pontos. O lanterna-vermelha foi o autor da surpresa da jornada que coloca o FC Porto a 9 pontos do líder Benfica, ou seja a metade dos pontos em disputa. Parece sensato dizer que o Porto, em condições normais, está fora da corrida, que neste momento tem apenas 2 concorrentes. A águia desafiou o leão na sexta-feira. O leão respondeu hoje na mesma toada.


DESTAQUE:

Era o jogo teoricamente mais difícil para os pupilos de Rui Vitória até ao final da liga. No entanto, a goleada de 5-1 imposta aos bracarenses não deixa margem para dúvidas. Com ambas as formações a terem de se defrontar em vésperas dos respectivos compromissos europeus, não houve poupanças de parte a parte. Após o resultado final, não será justo atribuir o desnível no marcador às ausências forçadas de Josué e de Vukcevic, por parte do Braga.
Até porque o clube minhoto começou bastante bem a partida, sendo que as duas primeiras situações claras de golo lhe pertenceram, primeiro através de cabeceamento ao poste de Wilson Eduardo logo ao primeiro minuto e, pouco depois, num chapéu de abas largas de Rafa a Ederson. Mas pouco depois do quarto de hora, uma distração da defesa minhota, a par de uma pressão alta dos encarnados, levou a que uma perda de bola em zona proibida resultasse no primeiro golo da partida, marcado pelo grego Mitroglou. Apesar deste rude golpe, o Braga continuou a bater-se bem contra um Benfica que procurava chegar rapidamente a uma vantagem mais tranquila. Uma grande penalidade bem assinalada pelo árbitro Nuno Almeida e a consequente conversão por Jonas deram nova alegria aos 61 mil adeptos, que minutos depois explodiam novamente com o 3-0 de Pizzi, após jogada rápida do ataque encarnado.
No regresso das cabines, muitos terão pensado que Rui Vitória deveria ter poupado alguns elementos com vista ao compromisso da próxima terça com o Bayern. No entanto, o treinador assim não entendeu, e procurou desde cedo ampliar novamente a vantagem. Por seu lado, o Braga entrou nesta segunda parte algo abatido. Apesar de não dar os pontos como perdidos, percebeu-se desde cedo que muito dificilmente os minhotos iriam conseguir equilibrar o marcador. Daí até novo golo de Mitroglou foi um passo, e após este quarto tento, pouco se viu dos bracarenses. Em lance de bola parada, outro grego – Samaris – iria também balançar as redes, através de pontapé livre directo exemplarmente marcado. Já em período de descontos, o Braga viria a reduzir através de grande penalidade convertida por Pedro Santos.
O clube da luz, já em solo alemão ficaria a aguardar pelo que FC Porto e Sporting fariam nos encontros desta noite.

LIGA NOS:

Poucos diriam que o Porto pudesse perder pontos. Quase ninguém apostaria na vitória do Tondela… em pleno estádio do Dragão. Mas quem assim não apostou, não colheu os frutos, pois foi isso mesmo que aconteceu. Embora a equipa da casa tenha entrado melhor no jogo, pouco perigo evidente conseguiu criar, e cedo se percebeu que o Tondela, mercê da forma organizada como se colocou em campo, vinha à procura de pontos para tentar escapar ao seu destino, que apesar da vitória, em pouco ou nada se alterou. Na segunda parte, Luís Carlos abriu o activo, com um golo de levantar o estádio. Daí até ao final, um bom punhado de defesas de Cláudio Ramos e uma boa dose de sofrimento do Tondela, sempre a espreitar o contra-ataque, fizeram o resto. Nota apenas para uma pretensa gravata aos quatro minutos sobre Aboubakar que poderia eventualmente mudar o rumo do jogo logo ao início.
No Restelo, o Sporting, pressionado por não poder perder pontos para não deixar o Benfica fugir, entrou na partida imprimindo um ritmo vertiginoso, que o Belenenses nem sempre conseguiu acompanhar. O bis de Slimani ao intervalo sabia a pouco para o clube de Alvalade. No reatamento, o Sporting conseguiu dobrar a vantagem com golos de Adrien e de Teo, antes do Belenenses reduzir por Marko Bakic. Até ao final, mais um golo para cada lado, primeiro o bis de Gutiérrez e mesmo no final, Tiago Silva carimbou o 2-5 final.
Quem aproveitou da melhor forma a derrota do Braga na Luz foi o Arouca, que no sábado ganhou por 3-2 no seu reduto, perante a Académica de Coimbra. A luta pelo quarto lugar tem agora apenas 6 pontos de intervalo. Logo a seguir aos lugares europeus, surge o Rio Ave, que venceu em Moreira de Cónegos pela margem mínima. O Estoril Praia venceu o Paços na Amoreira pelo mesmo resultado e assim trocaram de posições, passando os canarinhos para a frente dos castores. No derby madeirense, o Marítimo ganhou ao nacional por duas bolas a zero e, também na madeira, empate a duas bolas entre a União e o Vitória de Setúbal. Finalmente, no clássico Guimarães – Boavista, o empate a uma bola agradou mais a axadrezados do que a vimarenenses.

Classificação: 1º Benfica – 70 pts / 2º Sporting – 68 pts / 3º FC Porto – 61 pts
Melhor Marcador: 1º Jonas (Benfica) – 30 golos / 2º Slimani (Sporting) – 22 golos / 3º Mitroglou (Benfica) – 18 golos
Próxima Jornada: Académica – Benfica (09/04 – 18:30) / Sporting – Marítimo (09/04 – 20:45) / Paços de Ferreira – FC Porto (10/04 – 18:15)

EUROPA:

Quando o Barça perde pontos na Liga, é notícia. Quando o faz em dois jogos consecutivos, ainda para mais em casa e diante do eterno rival Real Madrid, é coisa rara. Vitória dos merengues em Camp Nou, com golos de Benzema e de Ronaldo a suplantarem o tento inaugural da autoria de Piqué. O outro rival de Madrid, o Atlético, também ganhou. 5-1 ao Real Betis. Com 7 jornadas por cumprir, o Barcelona guarda agora uma vantagem de 6 pontos para o Atlético e de 7 para o Real. La Liga aqueceu um pouco esta semana.
Leicester City, um caso sério que já ninguém consegue ignorar pela Europa fora. Mais uma ronda, mais uma vitória. Em casa, perante o Southampton, pela vantagem mínima. O que a somar ao empate do Tottenham em Anfield Road, eleva para 7 a vantagem no topo da tabela. Um sonho que muito poucos imaginariam no início da temporada. A ver vamos se irá transformar-se em realidade. Já esteve mais longe.
Em Itália, a Juventus aumenta também para 7 a sua vantagem perante o segundo classificado Nápoles. Pontualmente a Vecchia Signora está como o Leicester, em Inglaterra. Mas para o clube transalpino, a caminhada não tem nada de sonho, tal é o hábito da Juve nestas andanças.
Na Bundesliga, a diferença de cinco pontos mantém-se. Bayern e Dortmund não perdem pontos por nada. O Hertha de Berlim, apesar de goleado em Mönchengladbach por 5-0, fecha o pódio da Bundesliga, à frente do opositor desta ronda.
O PSG, já com o título no bolso, voltou às vitórias. 4-1 diante do Nice. O Mónaco perdeu em casa com o Bordeux, mas mesmo assim mantém o segundo posto, à frente do Lyon.

LIGA DOS CAMPEÕES / LIGA EUROPA:

Terça-feira, dia de Liga dos Campeões. Quartos-de-final, com dois jogos grandes, um deles obviamente em destaque, por opor o Benfica ao Bayern, no Allianz Arena. Tarefa difícil, todos sabemos, mas não impossível. Ainda para mais, com a decisão a ser tomada em duas mãos, com a deslocação do clube bávaro à Luz, uma semana depois.
Os outros encontros da semana incluem Barcelona – Atlético Madrid (também na terça-feira) e Paris SG – Manchester City e Wolfsburg – Real Madrid (ambos na quarta-feira).
Na Liga Europa, destaque para o confronto entre Sporting de Braga e Shakhtar Donetsk, na pedreira, na quinta-feira, pelas 20:05.
Completam esta primeira mão dos quartos-de-final: Villareal – Sparta de Praga, Athletic Bilbao – Sevilha e Borussia Dortmund – Liverpool.

Texto: Pedro Carvalho

Foto: arquivo Nova Gazeta

Artigo publicado em colaboração com o jornal Diário do Distrito

[Crime] Detido por posse e partilha de pornografia infantil

Um indivíduo do sexo masculino, de 33 anos de idade, foi alvo de detenção e identificação por parte da Directoria de Lisboa e Vale do Tejo da Polícia Judiciária pelo facto de o sujeito haver, presumivelmente, incorrido na prática de crimes de pornografia de menores através da Internet.

O suspeito terá incorrido na prática reiterada de actos de posse e divulgação de pornografia de menores, sendo que no decurso da investigação criminal que redundou na sua detenção vinham sendo usados programas informáticos específicos com vista à troca e partilha de imagens e vídeos nas quais são mostradas crianças sujeitas a abusos de natureza sexual.

O material informático em uso na prática dos ilícitos criminais indiciados foi objecto de apreensão pela Polícia Judiciária, estando em análise o exacto alcance da actividade e das ligações ilícitas desta.
Presente a primeiro interrogatório judicial, o sujeito viu ser-lhe aplicada a medida de coacção mais gravosa, perante a gravidade dos factos indiciados, encontrando-se em cumprimento de Prisão Preventiva.
 Texto: Isabel de Almeida/Nova Gazeta

Créditos Foto: Tv-Webbarreiras.com[Brasil] - Direitos Reservados

domingo, 3 de abril de 2016

[Actualidade - Palmela] 22ª Edição do Festival Queijo, Pão e Vinho celebrou produtos regionais de Palmela

Moscatel "Lobo Mau"

Sexta-feira passada, e até este Domingo [dia 03 de Abril de 2016] decorreu em S. Gonçalo, Cabanas, na Quinta do Anjo, Concelho de Palmela a 22ª  Edição do Festival do Queijo, Pão e Vinho, promovida pela ARCOLSA.

Como vem sendo hábito, trata-se de um local de excelência para dar a conhecer os excelentes produtos regionais produzidos na região de Palmela, de que são exemplo o excelente Queijo de Azeitão, vinhos de variadas castas e com diferentes processos de maturação, sendo um dos ex-libris o Moscatel de Setúbal, e ainda o pão e alguma doçaria regional. Os diversos expositores permitem aos produtores locais o contacto directo com o muito público que ali acode para contactar bem de perto com o mundo rural e com os processos produtivos mais tradicionais que acabam por integrar, por direito próprio, a identidade desta região da Península de Setúbal.

Gado Ovino em Exposição no Certame
Além dos produtos expostos, e que podem ser adquiridos directamente junto dos produtores com preços bem mais apetecíveis do que aqueles que resultam do processo de distribuição ao nível nacional, é também um dos pontos altos deste festival a tradicional Corrida de Ovelhas no "Ovelhodromo", que atrai, naturalmente, a atenção de miúdos e graúdos, bem como demonstrações equestres, e demonstrações de tosquia de gado ovino.

Na cerimónia de abertura do certame estiveram presentes diversas individualidades, nomeadamente, o representante da ARCOLSA; Valentim Pinto - Presidente da Junta de Freguesia da Quinta do Anjo; a Senhora Directora Regional da Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo [que traçou o quadro dos investimentos locais pendentes e a desenvolver, nomeadamente, anunciando para breve a abertura de candidaturas a pequenos investidores em projectos agrícolas]; Adília Candeias - Vice-Presidente da Câmara Municipal de Palmela, em representação do Município, na ausência do Presidente do Município - Álvaro Balseiro Amaro, que se encontrava ausente em representação do Município e do País na Assembleia-Geral da Rede Europeia de Cidades do Vinho.

Este tipo de iniciativas constitui um importante contributo para divulgar os produtos locais, e a natural evolução que os mesmos vão sofrendo, sempre sem esquecer a tradição que, assim, se mantém bem viva.

Texto: Isabel de Almeida

Fotos: Pedro Carvalho/Nova Gazeta

sexta-feira, 1 de abril de 2016

[ Sociedade - Saúde] Dia Mundial da Consciencialização do Autismo assinalado em Sesimbra

2 de Abril é o Dia Mundial de Consciencialização do Autismo, e a Câmara Municipal de Sesimbra irá participar novamente na campanha Light It Up Blue [Acendam a Luz Azul].

Assim, entre os dias 1 e 6 de Abril de 2016 o Auditório Conde de Ferreira, edifício classificado como Património de Interesse Municipal desde Março de 2009, irá estar iluminado.

O propósito desta simbólica mas relevante iniciativa – promovida pela Federação Portuguesa de Autismo -  é, precisamente, promover a sensibilização da sociedade para esta doença, sendo o autismo uma perturbação de natureza neurobiológica complexa que afecta a capacidade de comunicação, o comportamento e as relações sociais.
Trata-se de um tema cada vez mais preocupante em termos de saúde pública à escala global, pois esta patologia atinge cerca de 67 milhões de pessoas em todo o mundo.

Texto: Isabel de Almeida

Foto: Câmara Municipal de Sesimbra

Fonte: Câmara Municipal de Sesimbra